quarta-feira, 2 de julho de 2008

Por Causa do Cachorro

Suposto Leitor, estive pensando, onde será que tu vive, Suposto? Pensava isso porque queria muito que tu morasse em Porto Alegre e pudesse assistir a Ulbra TV. Maravilha de canal. Sem dinheiro, sem anunciante, sem estrutura, sem motivo algum eles exibem Os Simpsons e sucessos do cinema mundial, como Vanilla Sky que vai passar no próximo domingo. Como é que eles fazem isso? Pergunta pra eles.

Na verdade o que mais me chamou atenção enquanto via um episódio de dia das bruxas dos Simpsons não foi a programação incompatível. Foi o comercial que passou. Comercial de um carrocinha de cachorro-quente. Sério. E mais, não de uma simples carrocinha, mas do Cachorro do R. Cachorro do R, Cachorro do R... fiquei matutando e aí, Suposto, se tu me lê daqui de Porto Alegre, tu vai chegar rapidinho à mesma conclusão que eu: Cachorro do R, Cachorro do Ro, Cachorro do Rosário!, mas que malandros, o trailer do Cachorro do R querendo ir a reboque no sucesso do mais famoso fastfood portoalegrense, que começou com uma carrocinha e hoje é uma rede, com telentrega, loja em shopping, embalagem e tudo. É não tá easy pra nobody, diria o ex-aluno do Fisk.

Mas, epa, espera um pouco.

Repara no texto do comercial do Cachorro do R, que era mais ou menos assim:
Cachorro do R, não se deixe enganar. Só original, não aceite imitações – e isso ilustrado por cenas de um tiozinho de bigode branco esmerilhando nas salsichas, ketchups, milhos e ervilhas, dentro do trailer. Mas o texto seguia: Cachorro do R, desde 1962, na esquina do colégio Rosário – e aí aquela panorâmica do trailer com o tiozinho dê-lhe que dê-lhe nos hot dogs na pracinha em frente ao Rosário, close no certificado "Melhores de POA da Veja" e, em seguida, o close fatal na fachada do colégio, que é pra não deixar dúvidas. Mas eu fiquei na cisma ainda. Eu pensava, Mas, , se esse aí... então aquele outro que eu pedi no trabalho uma vez... e como que ouvindo minhas questões, o Cachorro do R gritou lá da Ulbra TV direto pra mim: Não temos filiais, nem telentrega ­– a mesma coisa escrita em letronas brancas na tela que é pros surdos também só comerem o original. E aí, pra encerrar o comercial com chave de latão, com toda a humildade: Cachorro do R, não temos filiais, nem telentrega.

Putz, Suposto, tu viu esse comercial? Tu já viu uma coisa dessas? Já tinha ouvido falar de advogado de porta de cadeia, mas será que foi um advogado de porta de lancheria que teve a idéia de registrar a marca e passar a perna no simpático tiozinho do bigode branco? Ou terá sido um racha na família Cachorro do Rosário? Digo assim, o herdeiro direto do seu José Cachorro do Rosário, o José Cachorro do Rosário Jr. (ou Salsichinha do Rosário pra turma da rua) naquele clichê de jovem empreendedor, cansado das manias romanticoartesanias do patriarca, teria passado a perna no velho pra modernizar a sua herança? Será? Quis expandir os negócio e porque o pai não queria, deu o golpe do registro de marca.

Pelo sim, pelo não, porque gosto dos mais humildes, porque uso havaianas e não aceito imitações, porque gosto dum trailer de rua, por solidariedade ao tiozinho que não tem telentrega, nem filiais, só vou no Cachorro do R daqui em diante. Nade de pedir no trabalho. E espero que eles estejam falando a verdade.

Ah, mas antes de tudo, acho que vou registrar o Por Causa dos Elefantes. Vai que daqui uns tempos tenho que botar na Ulbra TV um comercial assim: Por Causa dos Es, o legítimo, não leia imitações. Por Causa dos Es, não temos WebTV, nem correspondentes internacionais.

3 comentários:

Anônimo disse...

Oi Reginaldo. Eu não disse que tinha achado o teu blog? Tô deixando um recadinho pra mostrar que tu não tem só leitor suposto, tem uma de verdade também.
Esse post me sensibilizou (sério!). Também não peço mais telentrega desse pseudo-cachorro aí. Onde já se viu!
Abraços,
Renata (colega da oficina do CK)

A Autora disse...

Ehehehehehe, e eu achando que ia ser original de vir aqui escrever sobre uma Suposta Leitora!

Praticamente sábado às 14h, isso aqui!

Beijo. Linkarei.

Anônimo disse...

Caro Reginaldo é com grande orgulho e extrema satisfação que venho através desta agradecer do fundo do meu coração o post que escreveste no teu blog sobre o Cachorro-quente do R (em frente ao colégio Rosário).
È graças a clientes fiéis e verdadeiros como você que meu lanche é vendido há mais de 40 anos no mesmo lugar sem tele-entrega nem filiais.
Não tenho palavras para expressar o quão emocionado fiquei quando li o seu comentário e senti que realmente entendeu a mensagem que quis passar a todos os que apreciam meu lanche, alguns até amigos de longa data, os que vi crescer ali junto ao longo desse 46 anos quando comecei apenas com uma humilde carrocinha, e que hoje continuam me acompanhando nesta jornada.
Agradeço pela confiança que depositasse na minha carrocinha aquela que se manteve firme e forte mesmo depois de várias mudanças de hábitos e fast-food porto-alegrense e saibas que lhe desejo sorte em sua jornada, que Deus lhe ilumine e lhe conceda sucesso assim como concedeu a mim.
Atenciosamente
Osmar Ferreira Labres